#nationalmovie

MOST RECENT

The journey of a creative artist

So I have been asked for a screentest for a side role in a international movie. A beautiful opportunity. So my reality now: while the sun is shining and people enjoying the weather I am filming, practicing my lyrics and doing what I want to be doing. Don't know what the endresult will be, but at least I know I did something.
Don't despise days of small beginnings. Zechariah 4:10
Every opportunity I embrace, appreciate and learn from. Let us stop being affraid of mistakes, flaws and faillures. There is no such thing as perfection. There is only place for development and growth. This is life!
#IWANTTOSEEMORECOLORONMYTV
#casting #screentest #screening #acting #actress #actrice #agency #castingagency #castingbureau #audition #auditie #castingrole #role #internationalmovie #internationalscreening #internationalagency #nationalmovie #blackagency #blackcasting #carribeanactress #antilliaanseactrice #dutchactress #mypassion #mytalents #lifeofablackactress #lifeofachristianactress #freedom #talents #gifts
VisionsThoughts&Dreams
NMJ

Cris d'Amato estreou como diretora de cinema no drama “Sem Controle” (2007), em que Eduardo Moscovis vive um diretor de teatro obcecado com a injustiça cometida contra o fazendeiro Manoel da Motta Coqueiro ~ caso que iniciou o processo de extinção da pena de morte no Brasil. Estimulado por uma mulher linda e misteriosa, Danilo ensaia uma peça sobre Motta Coqueiro, com ele próprio interpretando o fazendeiro e os demais papéis vividos por pacientes psiquiátricos. Quando os limites entre real e imaginário se confundem, Danilo é forçado a reviver os fatos históricos em primeira pessoa, ciente do destino trágico de seu personagem. ~ O primeiro longa da cineasta lhe rendeu o prêmio de "Melhor Direção" no Festival de Cinema Brasileiro de Los Angeles, em 2008 e, desde então, Cris d'Amato dirigiu as séries "As Cariocas" (2010) e "As Brasileiras" (2012), além dos filmes "Confissões de Adolescente: O Filme”, “SOS: Mulheres ao Mar", (2014), e mais recentemente “É Fada”, de bilheteria milionária com a atriz e youtuber Kéfera Buchmann. #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

O thriller “Praça Paris” de Lúcia Murat, foi vencedor dos prêmios de Melhor Direção e Melhor Atriz no Festival do Rio do ano passado. Coprodução de Brasil, Portugal e Argentina, o longa mostra o conflito que surge entre uma terapeuta e sua paciente em um Centro de Terapia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Glória (interpretada por Grace Passô) tem histórico de ter sido violentada desde muito jovem, e o irmão, Jonas (Alex Brasil), traficante no morro onde ela vive, está preso. A trama retrata a violência que voltou a explodir no Rio através da distância social e emocional entre as duas personagens centrais do filme, e segundo Murat, “o medo do outro parece ser algo implantado na sociedade brasileira hoje”. Este é o 13º longa-metragem da diretora, que apareceu recentemente aqui na timeline do @cinebrazuca durante o mês de março ~ #marçodelas ~ O filme entra em cartaz esta semana! #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

"O Grande Circo Místico", do diretor Cacá Diegues, terá finalmente sua estreia durante première de luxo no Festival de Cannes (8 a 19 de maio). Único longa brasileiro na programação do festival francês, que no ano passado foi representado pelo premiado "Gabriel e a Montanha", já tem trailer circulando pelas redes e deve entrar oficialmente em cartaz ainda este ano. O filme acompanha uma mesma família de artistas de circo ao longo de um século e diversas gerações, e traz no elenco nomes como Bruna Linzmeyer, Jesuíta Barbosa, Mariana Ximenes, além do ator francês Vincent Cassel, que recentemente também integrou ao elenco de "O Filme da Minha Vida" (Selton Mello). Para além da obra, vale lembrar que o autor do filme, Cacá, foi um dos fundadores do Cinema Novo, ao lado de nomes como Glauber Rocha e Nelson Pereira do Santos, e dirigiu longas nacionais clássicos como "Xica da Silva" (1976) e "Bye Bye Brasil" (1979). Veremos! #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

“Antes Que Eu Me Esqueça” (2018), dirigido por Tiago Arakilian, deve estrear em maio deste ano e traz o no elenco grandes atores como José de Abreu e Danton Mello. ~ {sinopse} Aos 80 anos, Polidoro resolve demolir a estabilidade de sua confortável vida de juiz aposentado e virar sócio de uma boate de strip-tease. Beatriz, sua filha, resolve o interditar judicialmente. Seu filho Paulo se declara incapaz de opinar pois não mantém relações com o pai. O juiz determina o encontro forçado de pai e filho e a reaproximação transformará suas vidas. ~ Uma aposta nos filmes de gênero, o longa se apresenta como uma comédia dramática, e segue a tendência de produções variadas e que se afastam das comédias de fácil digestão e das obras sociavelmente engajadas, abordando temas íntimos e ajudando a consolidar a indústria brasileira. Em breve nos cinemas! #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Baseado no best-seller do jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, "Quase Memória" (2018), de Ruy Guerra, deve entrar finalmente em cartaz nos próximos dias. Com Tony Ramos, Mariana Ximenes, João Miguel e Antonio Pedro no elenco, o longa é inspirado nas histórias vividas pelo pai de Cony, um homem que acreditava em tudo o que fazia e convencia todos a sua volta que era tudo verdade. A trama se inicia quando o jovem Carlos (Charles Fricks) recebe um pacote. O que parece ser uma situação comum na vida de um jornalista – receber uma encomenda – soa estranho para o jovem. O nó que amarra o embrulho, o cheiro, a letra do envelope: tudo remete ao pai de Carlos, Ernesto (João Miguel), morto há anos. Enquanto decide se abre ou não a remessa, Carlos reconstrói as melhores memórias ao lado do pai enquanto conversa com ele mesmo no futuro, o Carlos mais velho, interpretado por Tony Ramos. Lançado em 1995, o livro ganhou, na época, dois prêmios Jabuti – de melhor romance e melhor livro do ano, tendo vendido mais de 400 mil exemplares. A adaptação para roteiro contou com a participação de Ruy, e só pelo trailer já dá pra sacar que além da baita direção, o filme também promete uma super fotografia, assinada por Pablo Giannini Baião. Em breve nos cinemas! @quasememoria ~ #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Além do Homem é um filme brasileiro e conta com Débora Nascimento e Fabrício Boliveira. O longa possui roteiro de Eliseo Altunaga, Daniel Tavares e do diretor Willy Biondani. A produção ficou por conta de Denise Gomes e Paula Cosenza. Possui filmagens no interior de Minas Gerais e na França, em Paris. Acesse já o nosso site através do #linknabio e entenda melhor sobre o novo longa nacional.

Casa de Areia (2005), dirigido por Andrucha Waddington, é um drama brasileiro que trouxe pela primeira vez Fernanda Montenegro e Fernanda Torres, mãe e filha na vida real, contracenando juntas em um filme. Rodado na região do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, a imensidão translúcida e em constante transformação coloca os personagens num loop eterno de inércia, melancolia e desalento. Intimista e com poucos diálogos, o longa aborda de maneira quase que sutil as questões da existência humana como a vida e seus valores. Na luta por sobrevivência num lugar "onde ninguém chega e ninguém sai", as personagens principais vivem uma mutação de tempo, porém inseridas no mesmo espaço. Uma aula de cinema, da fotografia ao roteiro, "Casa de Areia" também traz um elenco incrível, que por si só já deixam o espectador atônito; entre eles, uma participação do grande cineasta Ruy Guerra, Seu Jorge, Stenio Garcia, Luiz Melodia, Enrique Díaz e Emiliano Queiroz. Filmaço e disponível no @youtube ~ #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

“A Glória e a Graça” (2017) de Flávio Ramos Tambellini é um filme sobre relações familiares. Entre as descobertas do passado e os abalos do presente, as personagens principais desenham um filme que se configura quase como uma narrativa tradicional sobre reencontros e pedidos de perdão, não fosse pelo fato de uma delas interpretar o irmão que se assumiu trans e a outra que vive uma doença terminal e depende de ajuda para cuidar dos filhos. Enquanto Graça, interpretada pela atriz Sandra Corveloni, sofre de depressão e perde lentamente a sanidade mental, Glória, interpretada por Carolina Ferraz, possui uma nova identidade sexual e surge como a única esperança da irmã mais velha. Nesse conflito, as personagens ganham a chance de se relacionarem novamente depois de anos, e permite que o espectador conviva com uma nova experiência através de quebra de tabus, que vão desde a construção da personagem até a ambiência do filme - que se passa em lugares incomuns do Rio de Janeiro clássico em filmes sobre família e classe média. Depois da maratona de mulheres diretoras, a gente retoma a programação de informações e notícias sobre o melhor do cinema brasileiro, aqui, no @cinebrazuca ~ Obrigada por nos seguir! #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Hoje, a timeline do @cinebrazuca é dela, Tata Amaral, diretora do clássico nacional “Um Céu de Estrelas” ~ arraste imagem para a direita ~. Considerado um dos três filmes brasileiros mais importantes da década de 1990 pela crítica especializada, ao lado de “Central do Brasil”, de Walter Salles, e “Alma Corsária”, de Carlos Reichenbach, “Um Céu de Estrelas” (1996) foi um marco da Retomada do Cinema Brasileiro e assinalou a estreia de Tata na direção de longa-metragem. O filme, que marcou época pela temática ousada e linguagem inovadora, traz a história de Dalva (interpretada pela atriz Leona Cavalli), uma cabeleireira que vive um relacionamento abusivo, e é quando ganha um concurso de cabelo e recebe uma viagem a Miami para concorrer a final, que decide romper com o marido e fugir desse ambiente opressor. Às vésperas da viagem, Vítor (interpretado pelo ator Paulo Vespúcio) faz mãe e filha de reféns na própria casa, impedindo a partida da protagonista. Tenso e asfixiante, “Um Céu...” celebrou vinte anos em 2017, e hoje integra a filmografia de Tata, que também é conhecida pelos longas “Antônia”, “Hoje” e “Trago Comigo”. #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Jornalista e cineasta, Eliza Capai já percorreu mais de 25 países dirigindo documentários com temáticas sociais e de gênero. Em seu longa mais recente rodado no Continente Africano, “Tão Longe é Aqui” (2013) ~ arraste imagem para a direita ~, ela traz histórias de mulheres que protagonizam e ressignificam o contexto em que vivem. O longa tensiona o limite entre o documentário e o road movie, e também trabalha com a questão da memória e a reconstrução de momentos e sensações que as espectadoras podem se identificar. Em entrevista à edição especial da revista Cinema Cultura, com a temática “Mulheres, Câmeras e Telas”, a cineasta disse não acreditar que exista uma fórmula de como ser mulher, e que mesmo com suas experiências em outros países, não é possível dizer qual o papel da mulher africana ou o papel da mulher brasileira: “Estamos descobrindo nosso lugar”. Além disso, Elisa também acredita que hoje já existe uma multiplicidade de olhares femininos no cinema, e que isso afeta diretamente na sua formação. É dela a timeline de março aqui, no @cinebrazuca! #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Helena Solberg é uma diretora, produtora, roteirista e cineasta brasileira reconhecida como a única mulher a participar do Cinema Novo. Entre seus principais trabalhos, se destacam “Carmen Miranda: Bananas is my Business” (1995), docudrama que narra a vida e carreira de Carmen Miranda; e Vida de Menina ~ arraste imagem para a direita ~, uma adaptação do livro “Minha Vida de Menina”, de Helena Morley. O filme chegou a ganhar seis prêmios no Festival de Gramado, em 2004, e está disponível no @youtube. Recentemente, a cineasta recebeu uma homenagem comemorativa pelas cinco décadas de carreira durante a "Retrospectiva Helena Solberg", realizada pelo Ministério da Cultura em parceria com o Banco do Brasil. Embora pouco exibidos em âmbito nacional, seus filmes tiveram amplo reconhecimento estrangeiro, sendo premiados em diversos festivais internacionais. Neles, temas como feminismo, exílio, ditadura, trabalho e militância tornam-se pontos recorrentes, compondo uma filmografia de notório engajamento político e experimentação. Março aqui no @cinebrazuca é dela também. #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

A lista de mulheres diretoras de cinema brasileiras ficaria incompleta se a gente não falasse sobre ela, Anna Muylaert! Mas a cineasta de “Que Horas Ela Volta?” (2015) é muito mais que um filme de tanto sucesso como foi este ~ arraste imagem para direita ~. Mãe, feminista, enfrentadora de uma indústria machista e que insiste em destacar muito mais o trabalho masculino, Anna atua na área há anos; pra quem não sabe, a cineasta fez parte de equipes de criação responsáveis por roteiros memoráveis no imaginário de inúmeras crianças que assistiam programas como Mundo da Lua (1991) e Castelo Rá-tim-bum (1995) da TV Cultura. Ao construir narrativas pops, como o longa “Durval Discos” (2002), a diretora captou com essência o momento presente que a indústria da música vivia, além de costurar de maneira lúdica a história e os conflitos das pessoas comuns. Seu filme de maior bilheteria, sem dúvida, trazia para além da protagonista Val, interpretada por Regina Casé, uma temática de extrema complexidade, que são as relações de classes, as desigualdades sociais, o acesso à educação e bens culturais, e colocou em debate o empoderamento feminino no cinema brasileiro. Graças a fala veemente e ao discurso da diretora, muitas mulheres passaram a ter coragem de dialogar sobre os abusos e dificuldades no mercado de trabalho, desencadeando também uma leva de jovens que, influenciadas pelo seu trabalho, decidiram estudar e dedicar-se ao cinema. É de Anna a timeline do dia. Mulherão!!! #quehoraselavolta #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Transformar uma realidade através do cinema é um pensamento um tanto utópico, mas transformar-se ao dirigir um filme trata-se de um movimento bastante interessante e possível, principalmente quando falamos da cineasta Eliane Caffé. Ela, que já apareceu aqui no @cinebrazuca com sua obra mais recente, “Era o Hotel Cambridge” (2016), teve uma experiência impactante ao envolver-se com os movimentos de ocupação representados pela FLM (Frente de Luta por Moradia). Eliana tem um histórico de filmes que geram uma série de diálogos entre as imagens e os espectadores, e é hoje uma das nossas homenageadas aqui na página pelo longo “Narradores de Javé” (2012) ~ arraste para a direita ~ que aborda a memória de um povo cuja cidade irá desaparecer. O protagonista, interpretado pelo ator José Dumont, tem a missão de registrar os últimos dias da região, e numa espécie de recuperação da memória, o longa trabalha com os deslocamentos entre a história oral e a história escrita. Filmaço e disponível no @youtube. Nossa sincera gratidão aos cineastas que trabalham com temas sobre resistência e minorias, tão importantes quando qualquer outra forma de narrativa visual. #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Diretora das séries “Galáxias – Olhares sobre o Brasil” e “O Povo Brasileiro”, a gente conheceu essa grande cineasta através do seu primeiro documentário intitulado “Marighella”, que conta a história e a relação afetiva, ainda quando criança, com seu tio Carlos, o homem mais perseguido pela ditadura militar brasileira ~ arraste imagem para a direita ~. Isa Grinspum Ferraz é também socióloga e pernambucana natural de Recife, e foi responsável pela primeira direção do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, além de coordenar projetos na Fundação Darcy Ribeiro. Na época de estreia do longa documental, em 2012/ 2013, Isa era constantemente questionado a respeito da narrativa, que é de certa forma uma investigação, mas também conta uma história íntima e de questionamentos até então velados pela própria família. Segundo a diretora, o filme é o retrato de um homem filtrado pela memória de quem o conhece. Vale muito a pena assistir e tem disponível no @youtubebrasil. Grande contribuição para o cinema e também para as narrativas contemporâneas da história nacional. Por isso, a timeline é dela! #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

A cineasta carioca Lucia Murat foi presa e torturada durante os anos de chumbo devido à sua luta contra o autoritarismo no período do regime militar. A experiência nos porões da ditadura inspirou algumas de suas principais obras, como o documentário “Uma Longa Viagem” (2011), a ficção “Quase Dois Irmãos” (2004), e mais recentemente o roteiro de “A Memória que Me Contam”. (2012) ~ (arraste para a direita). Em uma narrativa com tons autobiográficos, Murat promove uma reflexão fundamental para os sobreviventes de sua geração num encontro que gira em torno da personagem guerrilheira Ana, interpretada pela atriz Simone Spoladore. O contraponto na vida deste grupo é exercido pelos jovens, que não participaram da resistência política e veem o mundo sob outra ótica e ética. Embora seja um filme sobre perdas, é também sobre encontros e o reposicionamento pessoal diante da vida. Lucia já apareceu aqui no @cinebrazuca, e por atuar como uma cineasta de resistência e de memória, seu cinema autoral é celebrado não só por reconstruir períodos a partir de relações tão afetivas, mas também por levar o espectador a uma reflexão sobre o tempo presente. Júlia Murat, filha de Lucia, também atua como diretora, e ano passado teve sua estreia no longa de ficção intitulado “Pendular”. É de Lucia a timeline desse mês! #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Para dar sequência nos posts sobre diretoras brasileiras, a grande homenageada do dia é ela, Laís Bodanszky! Dona de uma linguagem sensível e poderosa para abordar tabus e preconceitos, a cineasta é reconhecida aqui (e também fora do país) principalmente pelo longa “Bicho de Sete Cabeças” (2000) ~ veja imagem passando para a direita ~. No entanto, depois de uma onda difícil que foi terminar o filme, a diretora se manteve ativa e hoje é reconhecida também por outras grandes produções. Recentemente, Laís estreou “Como Nossos Pais” (2017) e vire e mexe recebe prêmios não só pela direção do filme, mas também pela interpretação e roteiro. O longa traz discussões super atuais sobre a posição da mulher e de certa forma sobre as relações familiares que estão circunscritas neste universo. Essa não é a primeira vez que Bodanzky aparece aqui no @cinebrazuca, já que anteriormente a gente compartilhou outros longas como, por exemplo, o inesquecível “As Melhores Coisas do Mundo” (2010) e o acolhedor “Chega de Saudade” (2007). É sempre uma experiência deliciosa ver e rever os trabalhos de Laís, que se reinventa e descobre mais de sua incrível força como mulher e diretora a cada produção. Vale lembrar que desde muito cedo viu o cinema de perto e descobriu que por trás de todo glamour das telas, havia um esforço enorme e muita dedicação; filha de um dos nomes mais expoentes no Cinema Novo Brasileiro, Jorge Bodanzky, Laís estudou Cinema e Geografia, e hoje é casada com o também cineasta Luiz Bolognesi. Os dois mantém grande parceira com a @gullaneentretenimento e inclusive realizaram trabalhos juntos. Viva Laís e obrigada por sempre trazer inspiração e reflexão aos espectadores! #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

E como a gente já havia antecipado por aqui, em março, a timeline do @cinebrazuca é DELAS! Um mês inteiro só com diretoras brasileiras!!!! E pra dar o pontapé nessa maratona, nada melhor que começar com lançamentos dentro do cinema nacional. O longa “Aos Teus Olhos” (veja imagem puxando para a direita) teve estreia mundial no ano passado e levou diversos prêmios durante o Festival do Rio; entre eles, Melhor Filme de Ficção pelo voto popular. Além disso, o filme também foi premiado na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e no 39º Festival de Havana. O longa, que ganhou trailer na última semana, deve entrar em cartaz ainda no primeiro semestre de 2018. Dirigido por Carolina Jabor, a cineasta e sócia da Conspiração Filmes parece estar bastante orgulhosa de sua segunda grande produção. Feminista, mãe e casada, a diretora não tem medo de mudar de opinião, e recentemente em entrevista à Revista Trip, contou sua relação com o pai, o jornalista e também cineasta Arnaldo Jabor, e com o esposo, Guel Arraes, um dos principais cineastas do país. Fazer um filme autêntico e colocar sua identidade e todo background pessoal, mesmo com esses referenciais que a mídia adora explorar sobre família e influências, não é uma tarefa simples. No entanto, Jabor tem buscado uma linguagem própria e em seu novo filme mostra que mulher faz Cinema SIM. E cinema com letra maiúscula! Por esses e outros motivos que a primeira postagem deste mês é dedicada a esse mulherão. ~ #mulhernocinema #mulheresnocinema #mulheresdiretoras #cinemabrasileiro #cinema #cinemabrasil #cinemaindependente #filmesbrasileiros #cinemanacional #cinebrasil #brasil #brazilianmovie #braziliancinema #brazil #nationalmovie #audiovisual #cinemanovo #cinemaverdade #cinemadocumentario #documentario #cinemamarginal #cinebrazuca

Most Popular Instagram Hashtags