[PR] Gain and Get More Likes and Followers on Instagram.

#linksmentais

가장 최근의

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA. Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. - #regrann

📚💡Uma vida dividida em antes e depois de descobrir o LÁPIS DE COR para grifar meus livros e vade mecum 😍
.
Alguém também usa?! Não marca atrás da Folha, não borra, não corre o risco de sair muita tinta, e ainda é mega econômico 😂😂😂
.
Não sei daonde tirei isso 🤔 algum ig de concurso por aí. Lembro que testei giz de cera, e detestei!
Gosto da cor amarela, e não tenho critérios de cor pra marcar, então pra mim deu certo! #amém .
#dicadodia #esperoqueajude
SE FOR INÚTIL 👉 #IGNORA e #SEGUEOBAILE (Vida que segue pra quem não é gaúcho ou do Sul) 😂
.
Tô devendo o post sobre os GRIFOS COM CRITÉRIOS #linksmentais, mas logo sai do forno! #prometo
Concurseiro cheio de pendências é F☠#@ 😂
.
Estou correndo atrás do preju tem dias, e tá difícil voltar pro cronograma diário sem pendências!
Maaas.... bora aproveitar esse intervalo até o ano novo 💪💪💪 .
Seja o que Deus quiser e a minha Nossa Senhora das Pendências permitir 😅😇😂
.
#concursoparadois #pendênciaseternas #sairemmm #pendênciasfiquemem2017

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Que tal recordar dessa dica que passei para vcs aqui no Instagram? Recebi algumas mensagens pedindo onde ela estava e resolvi repostar.

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA. Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, c

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA. Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária.

Que tal recordar dessa dica que passei para vcs aqui no Instagram? Recebi algumas mensagens pedindo onde ela estava e resolvi repostar.

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA. Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo).

Vi no insta do @nobreconcurseiro e fui no insta da @brunadaronch porque acho que vai ajudar muita gente!! #Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto.#concursos #mp #promotordejustiça #foco #estudos

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto. Obs2: Hj tenho poucos materiais físicos, pois a maioria fi

@Regrann from @barbie_superacao - @Regrann from @brunadaronch - Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). - #regrann

#Repost @concurseira_digital (@get_repost)
・・・
#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo).

@Regrann from @brunadaronch - Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo).

#Repost @brunadaronch (@get_repost)
・・・
Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto. Obs2: Hj tenho poucos materiais físicos, pois a maioria fi

@Regrann from @brunadaronch - Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto. Obs2: Hj tenho poucos materiais físicos, pois a maioria fica no me

@Regrann from @brunadaronch - Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto. Obs2: Hj tenho poucos materiais físicos, pois a maioria fica no me

Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira de fazer revisões: resumos ou grifos? Já aviso que minha opinião não é nem um pouco imparcial por um motivo básico: simplesmente não gosto de fazer resumo (tenho preguiça, acho cansativo, demorado e improdutivo). Por isso, não quero entrar no mérito deste assunto polêmico. Quando descobri que poderia passar em concurso sem fazer resumo, eu fiquei aliviada (😂). No entanto, ao optar por fazer revisão por grifos, precisei enfrentar outro desafio: grifar apenas palavras importantes no seu material (#linksmentais - amo!). Acredito que muitos de vcs já se depararam com um livro grifado/sublinhado quase na integralidade (veja a foto 02) e, ao fazer a revisão, precisa ler tudo novamente (afinal, vc não sabe o que é importante #quemnunca). Eu lia, grifava e sublinhava sem critério.

Pois bem, eu aprendi com o @ciclosr3 uma técnica muito simplória, mas eficiente demais: VC NÃO PODE USAR O MARCA TEXTO NA PRIMEIRA LEITURA (foto 01). Sabe pq? A primeira leitura é o primeiro contato com a matéria e a tendência é que tudo seja relevante. Então, nesse primeiro contato, vc apenas sublinha o que acha relevante (sim, vai ser muita informação). Ao fazer a revisão, após algumas semanas, vc estará apto a fazer uma leitura mais dinâmica e saberá filtrar (daqueles sublinhados da primeira leitura) as palavras realmente relevantes que devem ser lidas em todas as demais revisões e na véspera da prova (por exemplo, na semana da prova oral, eu consegui revisar todo "Poder Público em Juízo" em um dia só por causa desse critério de grifos das palavras importantes). "Mas, Bruna, como faço essa revisão?" Bom, aí depende do seu método de estudo e da forma que vc se organiza. "E se eu não faço revisão?" Meu amigo(a), vamos rever essa forma de estudar. Eu sempre falo: só não passar em concursos quem desiste e... não revisa 😂 Somente na revisão vc consegue consolidar a matéria e se sentir mais seguro. Ela precisa estar na sua rotina diária. Escolha um método, confia e se joga (#quemtemmétodotemtudo). Obs1: não tenho critério com cores de marca texto. Obs2: Hj tenho poucos materiais físicos, pois a maioria fica no meu Dropbox e em Word (#FUC).

#Suspro: pena em abstrato;
#Sursis: pena em concreto.
Se você, assim como eu, vive confundindo #sursis com #suspro, guarda esse desenho na mente, repete essa frase umas 5x e depois tenta não errar mais!
Falando nos institutos, o STJ (INFO 599) disse que "o ato de composição entre denunciado e vítima visando à reparação civil do dano, embutido na decisão concessiva de suspensão condicional do processo (art 89, da lei 9.099/95), é título judicial apto a lastrear eventual execução."
Tava lendo os informativos, parei nese julgado. Fui caçar o conceito na mente e ai achei que tava fazendo confusão.
Mas agora ta ai! 😉😙
Fonte: @dizerodireito
#pelasbarbas #doprofeta #sempretroco #penal #processopenal #dod #stj #concurso #concurseiro #linksmentais #concurseira #delegada #delegado #tjdf #magistratura #juiz #focanodistintivo #focanatoga

Ciclando no sábado, pois o domingo precisaria ter 72 horas para comportar as minhas pendências....🙄 Te dedico @nathtrindade_ .
@ciclosr3
#simbora
#anoitevaiserlonga
#linksmentais
#morfar

Sexta a noite bombando aqui. 😁😁 Café+ Pastel de Belém + leitura de todos os links mentais das súmulas.
Hoje ninguém me tiraria de casa.. melhor momento da semana. Simbora!

Boa Noite Guerreiros! 😘🌷 #lulusdaagu #umdiadecadavez #pasteldebelém #súmulas #linksmentais #ciclando #ciclosr3 #Famíliaciclos #nãoesquecerovalordacausa

O #falacoach de hoje serve como continuação ao anterior da minha colega Bia. Decidiu seu foco? Perfeito: partiu avançar para o próximo passo. Estudar para concurso requer três premissas básicas: organização, estratégia e (muita) revisão. Aliado a tudo isso, faz-se imprescindível uma palavrinha mágica: CONFIANÇA. Tenha confiança no método escolhido, na tua rotina, no teu esforço diário e, principalmente, no teu material de estudo. Material? Como assim? Quase todos os dias vejo as pessoas preocupadas com a existência de um material milagroso. Infelizmente, galera, não existe livro/resumo perfeito. O Direito é amplo demais. Todo dia temos súmula/lei nova e mudança entendimento dos Tribunais. Mas, então o que utilizar? Que tal começar a pensar em produzir o TEU "patrimônio de concurseiro"? Construa a tua Fonte Única do Conhecimento (FUC), concentrando todas as informações necessárias para o concurso em um mesmo documento (lei, trechos de doutrina, informativos, súmulas e eventuais questões). Invista no teu material diariamente, alimente-o com todas as atualizações legislativas/jurisprudenciais, faça as revisões diárias sempre nele para facilitar a memorização e leve-o até o dia da tão sonhada aprovação! Para isso, orientamos o aluno a fazer revisões baseadas em grifos em material no computador (sim, sem resumo escritos no papel). "Mas, eu preciso do papel para estudar (😰😱)". Já tentou mudar? Como falar que não consegue algo, se ainda não tentou? Que tal introduzir a tecnologia a teu favor? Tudo na vida é questão de adaptação: tu-do! Tenta se adaptar com aquilo que facilitará a tua caminhada nos concursos. Eu tentei e consegui. (adeus, resumos 👋🏻👋🏻👋🏻). Gostou da dica? Confie e segue! Esse é um dos pontos para se atingir um estudo estratégico. Quer saber mais? Venha para o ciclosr3! Por Bruna Daronch #concursopúblico #confianacoach #confianociclos #materialvirtual #checklistnadoutrina #estudoestratégico #fucfucfuc #chegaderesumo #revisãoporgrifos #linksmentais #quemtemmétodotemtudo #quesejaleveenquantodure

가장 인기있는 인스타그램 해시 태그