quaselivros quaselivros

112 posts   1,694 followers   69 followings

Quase Livros  ☕ á cada leitura uma nova descoberta 📚 lidos em 2015: 35/50

"O Diário de Anne Frank" é, como o nome já diz, o diário de Anne, uma garota judia que viveu durante a Segunda Guerra Mundial e três meses antes de completar 16 anos morreu no campo de concentração Bergen-Belsen.
Anne Frank começou a escrever em seu diário com 13 anos. Certo dia ela e sua família tiveram que ir para um esconderijo, assim passaram a viver no sótão de uma fábrica com um casal e seu filho adolescente e mais futuramente com um dentista. Pessoas que trabalhavam na fábrica, levavam para os moradores do sótão comida, livros, cursos por correspondência... Tudo para distrair os moradores do Anexo Secreto durante todo esse tempo que passaram por lá.
Quando Anne soube que o governo holandês iria reunir depoimentos, cartas e diários sobre os horrores sofridos nesse período de guerra, Anne ficou muito empolgada, seu sonho sempre foi ser escritora e jornalista. Mal sabia ela que seu relato iria emocionar milhares de pessoas no mundo inteiro.
No diário, que Anne chamava carinhosamente de Kitty, não há apenas relatos sobre a guerra, há também todos os acontecimentos importantes ou banais que aconteceram em sua vida presa naquele sótão. Confeso que em diversos momentos, Anne foi egoísta, orgulhosa e teimosa, como qualquer adolescente, mas no fim ela sempre enxergava seu erro e admitia para si mesma que agiu de maneira errada. Isso só mostrava o quanto ela era... Humana. Não era perfeita, mas era cheia de sonhos e de esperança.
-
“Sinto-me má ao dormir numa cama quente, enquanto em algum lugar meus melhores amigos estão caindo de exaustão ou sendo derrubados. Fico apavorada quando penso em amigos íntimos que agora estão à mercê dos monstros mais cruéis que já assolarama terra. E tudo porque são judeus.”
-
Nota: 5/5
[ 35° livro do #desafio50livrosem1ano ]

Cinder não é uma garota como as outras, ela tem dezesseis anos, mora Nova Pequim e é considerada uma abominação tecnológica. Ela é um ciborgue. Por um lado ser ciborgue tem lá as suas vantagens, ela, por exemplo, consegue consertar tudo.
Cinder vive em Nova Pequim com a sua madastra, suas duas meias irmãs e um androide. Ela nunca teve muitos amigos, suas melhores amigar são Peony, sua meia irmã de 14 anos, e seu androide Iko.
Cinder leva uma vida normal até que o príncipe Kai aparece em sua oficina pedindo para que ela conserte o seu androide. A partir daí, Cinder começa sentir coisas que ela nunca imaginou ser possível.
A situação na Terra está delicada, devido a epidemia de Letumose, uma doença rápida, contagiosa e mortal que ainda não tem cura. E então o pior acontece. Peony acaba sendo contaminada com a doença, após ter saído com Cinder. E agora sua família tem mais um motivo para odiá-la. Por isso sua madastra decide entregar Cinder para médicos encarregados de descobrir a cura para a doença, a parte ruim é que ninguém sobreviveu aos testes para a descoberta do antídoto.
A história acontece na terceira era, onde a Quarta Guerra Mundial aconteceu a 126 anos, e uma nova guerra declarada pelos lunares (seres que vivem na lua) está por vir.

Como o próprio nome já diz "Cinder" é uma releitura moderna de Cinderela, algumas coisas como madastra, príncipe, baile... Aparecem na história, mas Cinder vive uma trama bem diferente da de Cinderela. Uma coisa que me incomodou foi o ritmo da história, tudo acontece muito rápido e isso me incomodou um pouco.
-
"Não havia cama para ela, e de noite, quando ela estava exausta de tanto trabalhar, tinha que dormir perto da fornalha, nas cinzas."
-
Nota: 4/5
[ 34° livro do #desafio50livrosem1ano ]

"Enquanto as suas irmãs foram dados lindos vestidos e sandálias finas, Cindetella tinha apenas um avental sujo e sapatos de madeira" 👠

"A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde". A. Maouris ❤

Amelie Wood perdeu os pais quando ainda era criança e desde então passou a morar em um orfanato para meninas, onde fez amigas qcabaram se tornando irmãs, mas desde que sua mãe faleceu, ela sempre sonhou em viver uma história como a de Beth Levitt, a protagonista do seu livro favorito "Doce Acaso". No seu aniversário de 18 anos Amelie teve que sair do orfanato e na busca por emprego ela é abordada por um olheiro que a convida para fazer um teste de campanha publicitária, muitos imprevistos acontecem e Amie acaba indo parar no teste para a adaptação cinematográfica do seu livro "Doce Acaso", com direito a cenas com seu ator favorito, Chris Martin.

Amelie é uma garota de coração puro, ela sempre procura enxergar o melhor das coisas, e quanta bondade, otimismo e pureza ela tem! "Quero ser Beth Levitt" é um livro um tanto grande, mas nem por isso é um livro cansativo, desde a primeira página até a última acontecem muitas reviravoltas. O livro trás também um romance muito bonito e bem trabalhado que faz o leitor sonhar com contos de fadas junto com a Amelie. Na verdade não existem palavras suficientes para dizer o quanto eu amei este livro, sem falar que a cada capítulo que eu lia eu fechava o livro e passava uns cinco minutos apreciando a capa antes de voltar a ler (rsrs). Esse é o primeiro livro que leio da Samanta Holtz e posso dizer que ela me deu uma ótima primeira impressão!

Nota: 5/5 + favorito
[ 33° livro do #desafio50livrosem1ano ]

Em 1987June Elbus tinha apenas 14 anos quando descobrira que a única pessoa, a qual a compreendia, um pintor renomado, seu melhor amigo, seu tio e padrinho Finn, estava morrendo. Um dia June recebe um telefonema de um homem que ela não conhece, ele fala coisas sobre Finn e diz que sente muito. Seu amado Finn se fora e ela estava sozinha.

Antes de morrer Finn decidiu pintar um quadro de June e sua irmã mais velha Greta. Elas, aparentemente eram melhores amigas, mas por algum motivo, Greta passou a ser uma pessoa fria e cruel, sempre disposta a criticar June ou criar situações constrangedoras para a garota.

No funeral do tio, June percebe um homem que a família parece odiar e ela não faz a mínima idéia de quem seja esse homem. Dias após o funeral, June recebe um pacote com o bule de chá russo do tio e um bilhete de um homem chamado Toby, ele diz que era amigo de Finn e pede para June encontra-lo, mas sem contar nada a ninguém. June é muito curiosa e vai ao encontro de Toby.

Este é um livro incrível que conta uma história encantadora, pura e verdadeira sobre amor, amadurecimento, perda e ao mesmo tempo reaproximação.

Nota: 5/5
[ 32° livro do #desafio50livrosem1ano ]

"Depois, no silêncio, por cima de tudo, veio um uivo longo e triste. Por um segundo, pareceu que o som viera de dentro de mim. Como se o mundo tivesse pegado tudo que eu estava sentindo e transformado em som. (...) Ouvi com atenção, tentando escutar quão longe estavam, mas era como se o som estivesse por toda parte. Perto e longe. Enrolado em volta das árvores e das nuvens. Os uivos ficaram mais altos, e a imagem de um lobo cinza e grande, com muito pelo embaraçado e dando o bote apareceu na minha cabeça.
— Não tenho medo – gritei pelos morros."
Trecho do livro "Diga aos lobos que estou em casa" da autora Carol Rifka Brunt, minha atual leitura ❤

Greg tem dezessete anos e, como ele mesmo disse, provavelmente tem um fungo devorando o seu cérebro. Ele é especialista em passar despercebido na escola, assim ele consegue evitar o bullying. Seu hobby é escrever e digitar filmes com seu amigo Earl, mas em completo segredo, ninguém pode ver os filmes a não ser eles mesmos, o motivo desse segredo é que os filmes são péssimos! Em um dia especialmente incrível a mãe de Greg o obriga a visitar Rachel, uma adolescente diagnosticada com leucemia. Greg nem sabia o que era leucemia e não fazia ideia de como se aproximar de Rachel. Então Greg e Earl resolvem fazer um filme para Rachel e esse será o melhor (e pior) filme do mundo.

O livro foge completamente de clichês e apresenta um protagonista esquisito e diferente.
Hilário e emocionante.

Nota: 3,5/5
[ 31° livro do #desafio50livrosem1ano ]

"(...) a verdade é que nunca sabemos o dia da amanhã, o minuto seguinte, nosso próximo passo.”
-
A última coisa que Mia se lembra é a música. Depois do acidente ela ainda consegue houvir a música. Rápido e confuso, uma hora ela estava no carro com sua família indo visitar amigos, e na outra, ela estava parada no asfalto gelado da neve, olhando os corpos dos pais – e o dela própria – estirados no chão. Tudo o que Mia pode fazer é assistir o esforço dos médicos para salvar sua vida. Ela não pode sentir, ser vista e não pode falar, ela é como um pensamento, a personificação de um anjo. E agora, Mia tem que fazer uma escolha difícil, se ela vai para um lugar sem dor, sem choros ou se fica e enfrenta uma vida solitária, ser órfã e meses de recuperação? “Você acha que cabe aos médicos, aos medicamentos e as máquinas, mas se você fica ou se você vai, a decisão é sua.”
-
Acompanhamos tanto o tempo presente (Mia depois do acidente, quando na maior parte do tempo ela está fora do próprio corpo), quanto os flashbacks (que mostra a Mia musicista, companheira, irmã, filha...). O livro nos trás inúmeras reflexões, a importância da nossa família, dos nossos amigos e principalmente o valor que damos a nossa vida e o quão longe estaríamos dispostos a lutar por ela.
-
Nota: 5/5
[ 30° livro do #desafio50livrosem1ano ]

Em um gigantesco deserto gelado, na geleira chamada Milne, a NASA descobriu um meteorito que prova que existe vida em outros planetas. Essa descoberta acaba se tornando uma questão política, o senador Sexton, que disputa o cargo de presidente dos Estados Unidos com o atual presidente Zach Herney, cita em sua campanha os excessivos gastos da NASA e suas falhas constantes. Com a descoberta desse estranho meteorito a NASA pode agora mostrar que seus gastos são realmente necessários e Herney terá suas chances aumentadas para continuar na presidência.
Para provar a autenticidade do meteorito a Casa Branca convoca quatro cientistas civis e Racheal Sexton, analista do NRO e filha do senador Sexton. Ao pesquisar sobre esse meteorito Rachel e os quatro cientistas suspeitam de uma possível fraude. Assim, eles passam a ser caçados por uma equipe de assassinos profissionais que tem o dever de manter em segredo essa possível fraude. Em uma fuga desesperada para salvar suas vidas Rachel e os quatro cientistas precisam desvendar a identidade de quem se esconde por trás de uma conspiração sem precedentes.
-
Com detalhes científicos e militares, Dan Brown criou uma história de tirar o fôlego, cheio de mistérios e suspense. É uma história fascinante que prende o leitor do início ao fim.
-
Nota: 4/5
[ 29° livro do #desafio50livrosem1ano ]

A Kah do @kahbooks me marcou na tag #bookishfavnumber , obrigadara por me marcar 💞
Meu número favorito é o número nove. 💌
-
Convido os marcados e quem quiser, a fazerem essa tag 😉💜
-
Qual o seu número favorito? ❓

"Sem amor, tudo mais perde o sentido." ❤
-
Estou lendo "Ponto de Impacto" do Dan Brown, autor de "O Código da Vinci".
O que vocês estão lendo? 📖

Most Popular Instagram Hashtags