mariamidoes mariamidoes

883 posts   52,567 followers   1,271 followings

FOOD • TRAVEL • PEOPLE  Maria Midões 📸 Photographer of all the good things 📍 Brooklyn based, world bound 🐶 Proud mum of @kika__thedog ✉️ say hi: maria.midoes@gmail.com

PT/EN 🇵🇹 Sem cara, sem expressão, sem ruga de dúvida ou sorriso de certeza. A Fé é uma caminhada. 🇺🇸 No face, no expression, not a wrinkle of doubt or a positive smile. Faith is a journey.

Yesterday had ice-cream, today have ramen. New York is bi-weather-polar these days and my stomach goes with it 🙈 #food

PT/EN 🇵🇹 De todos os sítios que visitámos estas três semanas, a Ubei Bridge em Mandalay foi o meu favorito. Físico e emocional. Não me lembro de me ter sentido em algum lugar (na vida) como me senti ao percorrer a ponte ainda não eram 6.30 da manhã. Os monges, as crianças a correr para nós a sorrir, as raparigas em direção a mim a pedir “photo photo, you photo”, os monges em formação a apresentarem-se, a conversarem em inglês “porque estou a aprender, quero exercitar”, as crianças pequeninas a dizerem “good morning” e os pais atrás a apontar para as crias e a colocar de seguida a mão no peito como quem diz “é minha”, o orgulho no olhar. Todos a perguntarem de onde somos, e todos a saber pronunciar Cristiano Ronaldo. Por baixo da ponte, os pescadores, as redes, o sol a nascer, a juntar-se à vida. Este é um sítio de paz. De olhos que tocam nos olhos de quem não se conhece. Estamos cá em baixo a fotografar o pescador. Acenamos ao meu irmão e à minha cunhada que atravessam a ponte com Panchama, o monge que conheceram. Uma gratidão sem fim. O Diogo a colocar as lentes na mochila, as mãos dadas, apertadas. “É o único sítio que visitámos onde as pessoas sorriem mais que tu.” —
🇺🇸 Of all the places we visited these three weeks, U-bei Bridge in Mandalay was my favorite. I can not remember feeling something similar to this I walked the bridge before 6.30am. Monks, children running to us smiling, girls towards me asking "photo photo, you photo", young monks introducing themselves to talk in English "because I'm learning, I want to exercise" , toddlers saying "good morning" and parents pointing to their kids as if saying "is mine”, the pride in their eyes. Everyone asking where we were from, and everyone knowing how to pronounce Cristiano Ronaldo. Beneath the bridge, the fishermen, the nets, the rising sun to joining life. This is a place of peace. We were down below photographing the fisherman. We wave to my brother and sister-in-law who cross the bridge with Panchama, the monk they met. Endless gratitude. Diogo put his lenses in his backpack, hands together. "This is the only place we visited where people smile more than you do.”

Women. Monks. Bagan. And so it starts 🍀

PT/EN Ultimo post do Vietnam. Voámos para Hanoi e ficámos em Old Quarter. Fomos a Halong Bay, conhecemos quintas e produtores em Hoa Binh, andámos de bicicleta em Bich Dong (onde ouvimos um guia turistico dizer "vamos parar para a foto onde foi gravado o King Kong”) e andamos de barco no rio Tam Coc. Não fomos a 1/8 dos sitios onde quem visita o Vietnam deve ir e mesmo assim foi incrivel. Fotografei muito pouco para aquilo que seria de esperar e comi mais do que é normal com a desculpa que a "comida é diferente, uma pessoa tem de conhecer". E tem! Não há forma de conhecer um país sem lhe conhecer as texturas e os temperos. Há tanto de único nas paisagens como nos sabores. -
Last post from Vietnam. We flew to Hanoi and stayed in the Old Quarter. We went to Halong Bay, went to farms and met producers in Hoa Binh, cycled in Bich Dong (and we heard a tour guide saying "let's stop for the photo where King Kong was recorded) and we went by boat on the Tam Coc river (we didn't go to 1/8 of the places where we wanted but even though it was incredible!). I photographed very little for what I would expect and ate more than usual with the excuse that "food is different, I have to know it". There is no way to know a country without knowing the textures and the seasonings, there is as much of uniqueness in the landscapes as in the flavors.

O que mais gostei no Vietnam? Estar lá e ver como as pessoas se movimentam, comem, vendem, sorriem, dançam na rua. Como os grupos de mulheres que antes de irem trabalhar estacionam as scooters e aprendem a dançar junto ao lago Hoàn Kiêm. Ou como os senhores de fato e gravata sentados em bancos de plástico azuis a comer Bun Chà (pessoas, não morram sem comer Bun Chà). Ou como os grupos de amigas a beber cerveja e a comer sementes. Estar lá 🍀 --
What I liked the most in Vietnam? Be there and see how people move, eat, negotiate, smile, dance on the street. Like the groups of women who, before going to work, park the scooters and learn to dance near Hoàn Kiêm Lake. Or as the suit up men sitting on blue plastic benches eating Bun Chà (don't die without trying Bun Chà). Or like the groups of friends drinking beer and eating seeds. Being there 🍀
#vietnam #hanoi #southeastasia (boots were required to visit the fields, don’t text me about them 😝)

Let’s play summer? I was invited by @maliburumus to create the #spiritofsummer with the new Malibu Lime while it’s not around 🙈 Everyone is happier in the sun, no? This year start early, click the link in my bio to enter for a chance to win a Malibu Lime Summer kit ☀️

PT/EN Decidi há uns meses que não publicaria retratos que não fossem previamente autorizados. Quando fotografo sem que percebam que o estou a fazer, corro para quem fotografei, aponto para a camera, faço um thumbs up e espero um thumbs up ou um sorriso do outro lado em jeito de confirmação. Quando não os há, apago a(s) foto(s). Há uma invasão no retrato desautorizado que me faz sentir ladra de expressões. Não critico quem faz de forma diferente, nem posso porque adoro muito do que os meus colegas (e amigos!) fazem. Esta é a minha forma porque acredito que as pessoas (e os seus traços) não são propriedade minha, não estão ao serviço do meu portfolio e das minhas redes. E é também uma óptima oportunidade de contactar com quem está do outro lado - a minha parte favorita 🙈🍀 posto isto, fica a foto de um amigo que fiz em Halong Bay - I decided a few months ago that I’m not publishing pictures that were not previously authorized. When I photograph without people noticing it, I run to them, I point to the camera, I do a thumbs up and I wait for a thumbs up or a smile on the other side for confirmation. When there are none, I delete the photo(s). There is an invasion in the unauthorized portrait that makes me feel thief of expressions. I do not criticize anyone who does it differently, nor can I. This is my way of doing it because I believe people (and their expressions) are not my property, they are not at the service of my portfolio and my networks. And it's also a great opportunity to get in touch with who's on the other side - always my favorite part 🙈🍀 #vietnam #hanoi #halongbay

PT/EN As ruas de Hanoi são parques de diversões para pessoas como eu que quando vāo a pensar em alguma coisa se esquecem de olhar para os lados para ver se há carros a passar. A primeira vez pode ser assustadora mas nas seguintes aprendemos a dançar ao som do tubo de escape das motas deles e tudo fica mais fácil. A foto é do maior ❤️🍀 @diografic -
Streets of Hanoi are amusement parks for people like me who like to cross the street without looking sideways to see if there are passing cars. It can be scary but after the first attempts we learn to dance according to the pipe sound of their specks and everything gets easier. Photo by the one and only 🍀❤️ @diografic
#vietnam #hanoi #southeastasia

PT/EN Há sítios onde nunca sonhei ir. O medo de andar de avião nunca permitiu que o meu mapa se estendesse por viagens com mais de meia dúzia de horas. Os meus pais nunca insistiram e acreditaram que a curiosidade que eu sentia em relação a tudo o resto na vida se manifestasse, mais tarde ou mais cedo, nas viagens. E manifestou, uns anos mais tarde, depois de os perder. Na primeira viagem que fiz lembro-me de ter pensado "se esta merda cai, eu morro. Se morrer o pior que pode acontecer é matar saudades” (de acordo com aquilo em que acredito). O medo virou curiosidade mas foi a forma de encarar a perda que me fez querer ganhar mundo. * Ajuda pa caraças ter os melhores companheiros de vida e viagem *
-
There are places I never dreamed about. Fear of fly never allowed my map to extend for more than half a dozen hours. My parents never insisted and believed the curiosity I felt about everything else would show up, sooner or later, on the will to travel. And in fact, it did show up, a few years later, after losing them. On the first flight after, I remember thinking "if this shit falls, I die. If I die the worst thing that can happen is to meet them again." Fear became curiosity but it was the way I faced my loss that made me want to see the world.
* Helps a lot to have the best life and travel companions *

Always ready for this 🍀

Enough said 🙏🏽💛@arthurstreetkitchen

Most Popular Instagram Hashtags